Navegação – Mapa do site

Apresentação

Arlei Sander Damo e Ruben George Oliven
p. 9-15

Texto integral

1Megaeventos, pouco importa a natureza, parecem, à primeira vista, refratários à abordagem antropológica e, sobretudo, à etnografia. Embora a antropologia moderna e a etnografia tenham suas próprias especificidades, sendo impossível reduzir uma à outra, é inegável que suas histórias encontram-se entrelaçadas. A centralidade assumida pelo trabalho de campo é uma das marcas mais importantes da antropologia do século XX e o suporte da etnografia renovou a disciplina com questões objetivas e subjetivas. Pouco importa o estatuto assumido pela etnografia em diferentes correntes do pensamento antropológico – basta pensar nas diferenças entre Malinowski, Lévi-Strauss e Geertz, por exemplo –: entre as representações canônicas do fazer etnográfico encontra-se o trabalho de investigação artesanal: a ideia de um esforço meticuloso, quase sempre solitário, não raro deslocado de tecnologias sofisticadas, em todo o caso personalizado, de tal modo que o sujeito se confunde (no sentido de fundir-se a) com o objeto que produz.

2Essa representação, não é preciso insistir, contrasta com a ideia de megaevento, qualquer que seja a acepção dada ao termo. Não por acaso, Marcel Fournier (1994), ao descrever o lugar das ideias de Mauss na tradição durkheimiana – ou de como a etnografia foi acoplada ao empreendimento sociológico –, sugeriu uma metáfora muito apropriada ao afirmar que o sobrinho mantinha uma espécie de ateliê no interior da usina do tio. São incontáveis os motivos que dão consistência à suposição de que a etnografia tem afinidades com o trabalho artesanal. E não é apenas porque o texto etnográfico tem a pretensão de ser autoral, no sentido de constituir um estilo único na medida em que está próximo ao seu produtor, mas também porque um ateliê sugere a produção em escala reduzida, meticulosa e intimista.

3Esse tipo de associação persiste até mesmo com a renovação conceitual promovida ao longo das últimas décadas. Ainda que a polifonia seja cada vez mais reivindicada, é forçoso reconhecer que ela é preferível quando constituída pelo próprio pesquisador, que de algum modo consegue, ao fim e ao cabo, manter o controle sobre a autoridade textual. Uma coisa é compartilhar a autoridade, outra, bem diversa, é tentar estabelecê-la quando os eventos a confrontam. Se alguma polifonia é desejável, quando localizada em profusão ela atemoriza, e não são raras as circunstâncias em que isso ocorre.

4Escrevendo sobre sua experiência ao deparar-se com os estádios de futebol lotados, depois de muitos anos de trabalho de campo no interior do Irã, Cristian Bromberger (2008, p. 237-253) partilha sua tentação “de abandonar um campo de estudo tão pouco cômodo e de se isolar em unidades mais restritas […], mais adequados às exigências totalizantes de nossa disciplina habituada a perscrutar pequenas comunidades ou a caminhar ao longo de redes sociais das quais ela pode apreender a totalidade das ramificações”. Como a antropologia soube se reinventar assimilando os desafios, convém resistir à tentação de abandonar o campo quando somos confrontados com eventos cuja proporção, extensão, diversidade, complexidade ou qualquer outro atributo do gênero se ofereça ao nosso olhar e à nossa escuta e se revele, à primeira vista, incompatível com a simplicidade de um diário de campo.

  • 1 Do ponto de vista das ciências sociais seria mais correto usar o termo “acontecimento” ao invés de (...)

5Para a antropologia não existem fatos nus, no sentido de que todo evento é um acontecimento.1 “Um evento transforma-se naquilo que lhe é dado como interpretação; […] apropriado por, e através do esquema cultural, é que adquire uma significância histórica.” (Sahlins, 1990, p. 16). Nesse sentido, todo megaevento é, antes de qualquer coisa, um evento. O acoplamento do prefixo mega sugere, tão somente, tratar-se de algo amplo, podendo essa amplitude ser avaliada pela reverberação gerada em termos de duração, de amplitude espacial, do impacto, da diversidade e assim por diante. Os megaeventos não são uma exclusividade do presente, bastando lembrarmos quão frequentes são as guerras, peregrinações, epidemias e catástrofes registradas pela historiografia e pela mitologia. Entretanto, a intensificação das trocas em escala planetária, favorecendo os fluxos de informações, pessoas e coisas, por vezes nos faz crer que todos os eventos são mega, e um dos dramas de qualquer cientista social começa, efetivamente, por estabelecer as fronteiras às quais sua investigação deve ser circunscrita.

6Sem nos preocuparmos demasiadamente com a questão da definição, poderíamos pensar em megaeventos como uma constelação de eventos articulados, no centro do qual se situa o evento principal – um espetáculo, um ritual, uma catástrofe, um concurso, um drama e assim por diante. Nesse sentido, o interesse antropológico pelos megaeventos excede a questão da proporção, embora os modos de engajamento – sobretudo no caso dos eventos planejados – sejam um dos aspectos mais importantes a serem investigados. Igualmente relevante é o fato de os megaeventos trazerem a diversidade e a multiplicidade no seu bojo. De fato, alguns são planejados, como a Copa do Mundo de Futebol e o Fórum Social Mundial, enquanto outros são extraordinários, não programados e, em certos casos, indesejados, como as catástrofes climáticas – pensemos no caso dos tsunamis ocorridos na Indonésia e no Japão. Existem aqueles de longa tradição, com espaço consagrado no calendário, como é o caso da peregrinação a Meca, enquanto outros são surpreendentes e únicos, como foi o festival de Woodstock em 1969. Há os que possuem um epicentro bem delimitado, enquanto outros se dispersam geograficamente, como são os casos da ameaça da gripe suína e aviária. Episódios envolvendo a convalescença ou a morte de ídolos e heróis se destacam pela repercussão midiática, mobilizando pessoas desconectadas no espaço, embora identificadas pela reverência ou idolatria – pensemos, por exemplo, na morte de Michael Jackson. A “primavera árabe”, que culminou com a derrocada de vários ditadores, é um exemplo lapidar de megaevento, havendo infinitas possibilidades de abordá-la. E o mesmo pode ser dito em relação às manifestações que tomaram as ruas das principais cidades brasileiras no primeiro semestre de 2013.

7Muitas pessoas são implicadas involuntariamente pelos megaeventos, como é típico nas catástrofes naturais, nas crises econômicas, nas epidemias e nas guerras. Nesse caso, os significados possuem aspectos particulares, notadamente dramáticos, e as questões primordiais, dirigidas pelos antropólogos, são voltadas para a significação dos traumas e as estratégias de superação – como se assimila culturalmente o infortúnio, de quem se espera solidariedade, etc. Já no caso de eventos planejados, como é recorrente no campo esportivo, religioso, artístico e político, a questão do engajamento é fulcral para a antropologia. Em todo o caso, eis um tema em relação ao qual a cooperação de várias disciplinas é importante, senão essencial.

8Este número de Horizontes Antropológicos traduz, ilustra, tensiona, enfim, dialoga com várias das questões suscitadas até aqui. Ainda que os colaboradores desta revista excedam as fronteiras nacionais, era de se esperar que a realização de dois dos principais megaeventos mundiais no Brasil atraíssem a atenção dos pesquisadores locais. Além de incontáveis megaeventos rotineiros – eleições, carnavais, romarias, procissões, manifestações, jogos, festas, etc. – o Brasil recebeu em 2012 a Rio+20, sediará a Copa do Mundo de Futebol em 2014, as Olimpíadas de 2016 (Rio de Janeiro) e a Exposição Mundial de 2020 (São Paulo), apenas para citar alguns dos mais concorridos eventos internacionais. Pela proximidade cronológica e talvez pela tradição de haver pesquisadores mobilizados em torno da temática esportiva, a Copa do Mundo de 2014 foi o foco principal da maioria dos artigos recebidos e selecionados por esta edição de Horizontes Antropológicos.

9A disposição dos artigos não obedece, por óbvio, um critério de importância ou prioridade. É antes uma sugestão de leitura tendo em vista a possibilidade de agrupar dois conjuntos de contribuições, um deles articulado a partir dos megaeventos esportivos e outro de textos com foco diversificado, ainda que relacionados direta ou indiretamente a megaeventos.

10Em relação aos oito textos do primeiro bloco, seis deles tratam explicitamente da Copa de 2014 e/ou da Olimpíada de 2016, mas de perspectivas diversas. A contribuição de Arlei Sander Damo e Ruben George Oliven aborda o impacto de o Brasil sediar os dois principais eventos esportivos mundiais em diferentes perspectivas, com destaque para o ritual de enunciação da escolha do país como sede, uma espécie de celebração da nação, e as tensões em torno do uso de dinheiro público para prover a infraestrutura da Copa do Mundo e das Olimpíadas. Como no caso dos demais textos, este havia sido finalizado antes das manifestações de junho de 2013, ocasião na qual essas questões foram tensionadas nas ruas e nas mídias. Em todo o caso, o debate acerca das manifestações deverá se arrastar pelos próximos meses, e para compreendê-los devem contribuir os textos que problematizam o legado dos megaeventos. Nisso se incluem os textos de Martin Curi, que trata os megaeventos como uma modalidade de fluxo da globalização; de Alexandre Magalhães, cuja análise focaliza a remoção de favelas no Rio de Janeiro, a cidade mais impactada pelos megaeventos esportivos no Brasil; e de Bruno de Vasconcelos Cardoso, que analisa o planejamento e toda a sorte de discursos enfocando a segurança pública, um tema extremamente controverso, uma vez que o Estado se compromete a dispor seu aparato de segurança – humano, tecnológico, legal, etc. – a empresas privadas multinacionais.

11Ainda nesse bloco sobre megaeventos esportivos encontra-se a contribuição de Luiz Henrique de Toledo, cuja etnografia aborda as expectativas dos torcedores em relação à edificação de uma arena – no caso o Itaquerão, do Corinthians –, destacando a dimensão simbólica desse empreendimento, e o texto de Édison Gastaldo, que utiliza o conceito maussiano de fato social total para descrever a mobilização dos torcedores em tempos de Copa do Mundo, um misto de festa, ritual e celebração que projeta o pertencimento à nação e a sociabilidade no espaço público para muito além do futebol. Fernando Borges descreve as FIFA Fan Fests™ (FFFs) ocorridas na África do Sul, instalações com telão de 50 m², destinadas à exibição de jogos e a outros eventos de entretenimento. As FFFs são pensadas como espaço de sociabilidade, publicidade e consumo, e até o presente têm sido um sucesso – elas passaram a ser organizadas pela FIFA desde a Copa de 2006 –, mas tendo em vista as tensões em torno dos gastos com a Copa de 2014, elas poderão se tornar espaços privilegiados para manifestações políticas. O fechamento deste bloco traz um texto de Ramón Llopis-Goig, cuja investigação privilegia o ponto de vista do público da cidade que sedia um megaevento – no caso a 32ª America’s Cup, uma competição internacional de vela realizada em Valência, Espanha, entre 2004 e 2007. O autor discute a percepção dos anfitriões a partir de três eixos principais – esportivo, econômico e psicológico – evidenciando o fato de que tais avaliações nem sempre correspondem à propaganda dos organizadores do evento.

12O artigo de Patrice Ballester faz a transição gradual para os textos que não enfocam diretamente os megaeventos esportivos, tratando das grandes exposições mundiais que estão, em alguma medida, na origem dos megaeventos modernos. O ponto de partida para a discussão de Ballester é uma pesquisa de campo realizada em Saragoça, Espanha, por ocasião da Expo 2008, e o dossiê da candidatura de São Paulo para a Expo 2020. Carlos Alberto Steil e Rodrigo Toniol tomam as conferências das Nações Unidas, incluindo-se aquela realizada em 2012 no Brasil e popularmente designada por Rio+20, como suporte para a discussão da conexão entre direitos ambientais e direitos humanos. O objetivo dos autores é mostrar como a discussão sobre direitos ambientais reconfigura a noção de direitos humanos e como deliberações tomadas em espaços transnacionais dialogam com demandas locais, como é o caso da comunidade do Xingu e seu enfrentamento à construção da usina de Belo Monte mediante argumentos que remetem ao que há de mais atual em termos de direitos no âmbito global. O diálogo entre o local e o global também é tema do artigo de Ceres Karam Brum, no qual a autora enfatiza, a partir do Encontro de Arte e Tradição Gaúcha, organizado pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho, as estratégias de atualização e universalização dos valores estéticos e morais do gauchismo.

13Patricia Vargas e Nicolás Viotti discutem a noção de “empreendedorismo” a partir do relato etnográfico de megaeventos realizados em Buenos Aires nos quais o guru indiano Ravi Shankar realiza suas performances. Por fim, o texto de Victor Andrade de Melo recupera as touradas nos tempos do Brasil colonial, com especial atenção àquelas realizadas na cidade do Rio de Janeiro. O autor nos mostra como esses eventos, espécie de precursores das grandes festividades contemporâneas – como o carnaval e os jogos de futebol – possuíam grande apreço popular, sendo ocasiões nas quais a realeza se misturava com a plebe nos espaços públicos.

14A seção Espaço Aberto apresenta dois artigos. O primeiro, de autoria de Raquel Andrade Weiss, analisa o significado do conceito de efervescência na obra de Durkheim e assinala o papel que esse processo desempenha em relação à sua teoria moral. Considerando que vários dos megaeventos são marcados pela efervescência, essa discussão se torna muito pertinente para a temática do presente número da revista. Pode-se dizer o mesmo em relação à questão dos conflitos, razão pela qual o artigo de Andréa Carolina Schvartz Peres, cujo enfoque são as tensões decorrentes do Acordo de Dayton, tido como marco de cessar-fogo da guerra na Bósnia, serve como referência. A autora mostra, a partir de trabalho de campo realizado em Sarajevo, que o referido acordo não sepultou os conflitos, mas reinscreveu-os em outro plano, sendo o próprio Acordo de Dayton objeto de significados conflitantes.

15Além da qualidade de suas publicações, Horizontes Antropológicos é também reconhecida pela singularidade de suas capas. Nesta edição temos o privilégio de contar com a contribuição de Daniel Semilla Bucciarelli, um dos integrantes da lendária banda de rock Patricio Rey y sus Redonditos de Ricota, que além de baixista, vocalista e compositor é artista plástico. Alguns de seus quadros estavam expostos no museu Emilio Caraffa, em Córdoba, Argentina, no período de realização da X Reunião de Antropologia do Mercosul, e nos encantamos com eles. Graças à generosidade de Bucciarelli podemos dispor de um deles. Além do vigor estético de seus traços e suas cores, cremos que as formas rebeldes e caóticas expressam, em boa medida, o caráter multifacetado dos megaeventos. Obrigado a Bucciarelli por ceder os direitos de imagem e a Victoria Irisarri, que mediou esse e outros contatos.

Topo da página

Bibliografia

BROMBERGER, C. As práticas e os espetáculos esportivos na perspectiva da etnologia. In: Horizontes Antropológicos, ano 14, n. 30, p. 237-253, jul./dez. 2008.

FOURNIER, M. Marcel Mauss. Paris: Fayard, 1994.

SAHLINS, M. Ilhas de história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

Topo da página

Notas

1 Do ponto de vista das ciências sociais seria mais correto usar o termo “acontecimento” ao invés de “evento” e, portanto, “mega-acontecimento”. Entretanto, o uso social consagrou o termo “megaevento”, e nós o adotamos para evitar um neologismo que não faria diferença substantiva.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Arlei Sander Damo e Ruben George Oliven, « Apresentação », Horizontes Antropológicos, 40 | 2013, 9-15.

Referência eletrónica

Arlei Sander Damo e Ruben George Oliven, « Apresentação », Horizontes Antropológicos [Online], 40 | 2013, posto online no dia 28 Outubro 2013, consultado o 20 Agosto 2017. URL : http://horizontes.revues.org/139

Topo da página

Autores

Arlei Sander Damo

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Ruben George Oliven

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

© PPGAS

Topo da página
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • Revues.org