Navegação – Mapa do site
Resenhas

VITAL, Christina. Oração de traficante. Rio de Janeiro: Garamond, 2015. 432 p.

Rodrigo Toniol
p. 481-485
Referência(s):

VITAL, Christina. Oração de traficante. Rio de Janeiro: Garamond, 2015. 432 p.

Texto integral

1Em um texto originalmente apresentado em 1938, Michel Leiris (1995, p. 102-103, grifo do autor, tradução minha) pergunta: “O que é, para mim, o sagrado? Mais exatamente: em que consiste o meu sagrado?” E continua sua inquirição:

Quais são os objetos, os lugares, as circunstâncias que despertam em mim esse misto de temor e de apego, essa atitude ambígua determinada pela aproximação de algo ao mesmo tempo atraente e perigoso, prestigioso e rejeitado, esta mistura de respeito, de desejo e de terror que pode passar pelo sinal psicológico do sagrado?

2Na sequência dessas questões, Leiris elabora uma espécie de fenomenologia do sagrado, descrita a partir de suas próprias experiências, de fatos muito simples colhidos na vida cotidiana e muitas vezes situados fora do âmbito do religioso institucional. Apesar da ênfase no caráter individual da experiência, essas reflexões também nos dão valiosas pistas para tratar do sagrado na vida cotidiana em termos mais amplos. Colocando-as em diálogo com os estudos sobre conversão, por exemplo, elas nos permitiriam escapar de modelos de análise que, de forma mais ou menos evidente, estão forjados conforme o paradigma paulino, que enfatiza o caráter radical, súbito e absoluto da transformação do converso. Em contrapartida, levando adiante esse diálogo imaginado com a obra de Leiris, essas pesquisas poderiam enfatizar menos o voluntarismo e mais as transformações das experiências cotidianas do sagrado por parte dos convertidos.

3A etnografia de Christina Vital, Oração de traficante, está atravessada por essa produtiva articulação entre processos de conversão e transformações na experiência com o sagrado. A autora, baseada numa sistemática pesquisa de campo que ultrapassa uma década de observação e entrevistas na favela de Acari e, mais brevemente, na Santa Marta, ambas no Rio de Janeiro, elabora uma potente prosa etnográfica que permite ao leitor adensar o entendimento sobre a mudança no perfil religioso das periferias entre meados da década de 1990 e meados dos anos 2000. No livro, os conhecidos dados quantitativos sobre a consolidação do domínio evangélico no Rio de Janeiro, acompanhado pelo declínio do prestígio social das religiões afro-brasileiras e pelas tentativas de manutenção dos fiéis católicos por parte da Igreja, ganham contornos densos, por meio de histórias de vida, de narrativas familiares e da descrição dos grafites que podem ocupar os muros do Acari. Nesses muros, por exemplo, onde antes havia pinturas de santos, de entidades do candomblé e referências às drogas, passou a haver inscrições com trechos bíblicos. Valendo-se dessa ampla diversidade de dados, que descreve a minúcia das transformações dos símbolos e das expressões do sagrado naquele cotidiano, Christina Vital cria o fio condutor para analisar uma de suas preocupações centrais: as transformações na forma de controle do tráfico local.

4Conforma-se, assim, a articulação dos dois eixos paralelos de mudança que tematizam e mobilizam todas as reflexões em Oração de traficante: de um lado, os deslocamentos dos vínculos religiosos dos moradores do Acari; de outro, as modificações na dinâmica de organização do tráfico. Essa arquitetura narrativa está sustentada pela questão de partida da pesquisa – que, a bem da verdade, vai ganhando novos matizes conforme o livro avança –, “quais os mecanismos empregados por moradores de favelas para experimentarem segurança mesmo em um cotidiano marcado pelas constantes quebras de rotina” (p. 39-40).

  • 1 Comentário na orelha do livro Oração de traficante.

5Parece evidente, diante de uma questão como essa e tendo em vista os eixos centrais da obra, a possiblidade de conceber os vínculos religiosos como modalidade de criação de redes de proteção por parte dos moradores e as mudanças no modo de controle do tráfico como determinantes para a maior ou menor segurança dos moradores. E é nesse ponto que a estrutura do texto de Vital adquire complexidade, na medida em que, pela etnografia, essas associações são ponderadas, ganham novos contornos e são apresentadas a partir de conexões nada evidentes. Assim, a autora parte dessa pergunta para destrinchá-la a partir de uma ampla rede de conexões que articula: a conversão de traficantes, a moral religiosa, a sensação de segurança, as relações dos moradores com o tráfico e as políticas de Estado para as áreas de favela. Importa destacar como essas variadas conexões acompanham aquilo que a literatura já havia indicado, mas também apontam um novo horizonte de questões. Afinal, como bem sintetizou Regina Novaes: “outros estudos já haviam mostrado que a conversão ao pentecostalismo poderia ser um expediente socialmente legitimado para ‘sair do crime’. Este estudo demonstra como esta mesma vertente religiosa pode contribuir para, digamos, ‘ficar no crime’. Ou – ao menos – nos faz pensar como e por que no Brasil de hoje o pentecostalismo pode ‘estar’ entre traficantes.”1

6Organizado em nove capítulos e dividido em três partes, o livro em questão articula um amplo conjunto de perspectivas teóricas heterogêneas que, vistas em perspectiva, explicitam a própria trajetória da autora que dialoga e se pauta por referenciais caros à antropologia e à sociologia. A apresentação, por exemplo, é iniciada com uma reflexão sobre o ensaio A prece, de Marcel Mauss, enquanto a introdução, apenas algumas páginas depois, termina com uma sofisticada resenha de obras sociológicas de autores como Anthony Giddens e Niklas Luhmann sobre segurança, modernidade e risco.

7A primeira parte do livro, intitulada “O campo de pesquisa”, concentra dois capítulos que delineiam as características sociais e demográficas das favelas pesquisadas. Essa apresentação da “realidade empírica”, no entanto, é alçada a um plano reflexivo-analítico na medida em que é descrita a partir de tensionamentos com pelo menos dois desafios teóricos. O primeiro é o de compor a narrativa sobre as favelas escapando de princípios que teriam caracterizado as pesquisas sobre esses espaços no Brasil, sendo eles: a ideia da especificidade da favela, que trata esses espaços como absolutamente singulares e específicos; a noção de que os territórios de favela seriam o locus da pobreza na cidade; a concepção da unidade da favela. Tais princípios teriam legado um prejuízo para os estudos desses espaços, inibindo análises que contemplassem a diversidade interna e externa às favelas em sua plenitude.

8O segundo desafio teórico que tensiona essa primeira parte é, sobretudo, de cunho ético. Afinal, pergunta a autora, “como revelar situações, posicionamentos, crenças, afetos que contribuam para ‘poluir moralmente’ os moradores de favelas, já que me posiciono politicamente em favor de ‘limpá-los’ e fortalecê-los politicamente?” (p. 51). E ainda: “Como tratar as informações ‘negativas’ que o campo me trouxe a respeito das ações evangélicas nas favelas, se percebo que ser evangélico é um identidade acionada constantemente pelos pobres, de modo geral, e pelos favelados, em particular, para serem ‘positivamente’ vistos na sociedade?” (p. 51). Embora essas questões permaneçam latentes ao longo do texto e não sejam explicitamente retomadas, é possível arriscar a afirmação de que a saída encontrada por Vital é metodológica e ocorre a partir da constante explicitação de seu lugar de fala e da inevitável parcialidade das escolhas narrativas que assume. Em alguma medida, o procedimento indica como o conjunto de situações apresentadas é, antes de tudo, resultado de um esforço analítico e não existe fora dele. A narrativa, nesse caso, não simplesmente descreve realidades sociais, mas, sobretudo, as cria. Ou, acompanhando os comentários de John Law (2004), trata-se de dar visibilidade ao fato de que etnografias são atos políticos.

9A segunda parte do livro, “Laços e redes de proteção”, insere dois conjuntos de problemas no texto. Primeiro, o da relação entre “pertencimento” (à família, à Igreja, ao movimento social) e segurança. Para tratá-lo, a autora recorre a duas trajetórias de vida de pessoas que construíram suas redes de pertencimento de modos diversos. Ao descrevê-las, Christina Vital é capaz de, a um só passo, desfazer a hipotética ideia durkheimiana de que laços de pertencimento produzem vínculos de solidariedade, resultando, por fim, em redes de proteção. Em contrapartida, a aposta da autora é por demonstrar como diferentes formas de pertencimento produzem, situacionalmente, distintas formas de redes de proteção. Nos casos descritos, por exemplo, fica evidente como a capacidade de proteção dos laços de pertencimento variam conforme ocorrem mudanças nas formas de organização do tráfico.

10Ainda na segunda parte do livro, outro conjunto de problemas que se destaca é o das formas pelas quais as lideranças religiosas lidam com os traficantes e, ao mesmo tempo, que os traficantes lidam com a presença religiosa, sobretudo pentecostal, na favela. A aproximação dos religiosos com os traficantes está descrita a partir de um paralelismo entre a posição assumida pelos católicos e pelos evangélicos. As atitudes de aproximação e de afastamento que essas lideranças assumem não são tratadas por Vital na chave do voluntarismo do sujeito religioso, mas, pelo contrário, elas são conectadas com o modelo de estrutura eclesiástica das igrejas em questão, suas modalidades rituais e de acolhimento. Assim, a autora explicita, por exemplo, como a perspectiva teológica e doutrinária dos evangélicos pentecostais – “perspectiva essa que compreende o mundo (categoria que expressa a oposição entre o Bem e o Mal) como lugar da guerra; que fala do inimigo; do chamamento ao ‘exército do Senhor’; que ritualmente lança mão de arroubos emocionais e de um linguajar bélico – se comunica muito bem com o próprio ethos dos moradores de favelas, entre eles os bandidos” (p. 187). E a estrutura hierárquica e legitimidade histórica da Igreja Católica, por sua vez, estabeleceria um lugar singular para o padre na mediação de conflitos entre traficantes e moradores, por exemplo.

11Por fim, a terceira e última parte do livro retoma as questões disparadoras da pesquisa, apresentadas na introdução. Ao longo de quatro capítulos, a autora retoma os dois eixos centrais da obra – as mudanças nas formas de pertencimento religioso e as transformações nos modos de controle do tráfico – e explicita como, empiricamente, eles se relacionam. Em alguma medida, a síntese dessa ênfase narrativa está explicitada no próprio título da terceira parte, “Traficantes (e) evangélicos”. O que importa nesse título é principalmente a conjunção “e”, que ora faz visível as relações de descontinuidade (e tensão) entre o tráfico e os evangélicos, ora desaparece e transforma “evangélicos” em adjetivo para os traficantes convertidos. É a etnografia da ideia contida nesse jogo de palavras o que ocupa substancialmente a terceira parte do livro.

12O livro de Christina Vital torna, como poucos o fazem, as discussões especializadas sobre o tema que aborda em debate pertinente para o campo mais geral da antropologia e da sociologia no Brasil. Ao fim da leitura resta a certeza que os anos que separam a defesa da tese que originou a obra e sua publicação em forma de livro não tornaram o material desatualizado, mas, pelo contrário, fizeram dele um texto fundamental para compreendermos melhor as transformações da última década nas periferias cariocas.

Topo da página

Bibliografia

LAW, J. After method: mess in social science research. London: Routledge, 2004.

LEIRIS, M. Le sacré dans la vie quotidienne. In: HOLLIER, D. (Éd.). Le Collège de Sociologie. Paris: Galimard, 1995. p. 94-119.

Topo da página

Notas

1 Comentário na orelha do livro Oração de traficante.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Rodrigo Toniol, « VITAL, Christina. Oração de traficante. Rio de Janeiro: Garamond, 2015. 432 p. », Horizontes Antropológicos, 46 | 2016, 481-485.

Referência eletrónica

Rodrigo Toniol, « VITAL, Christina. Oração de traficante. Rio de Janeiro: Garamond, 2015. 432 p. », Horizontes Antropológicos [Online], 46 | 2016, posto online no dia 31 Julho 2016, consultado o 24 Outubro 2017. URL : http://horizontes.revues.org/1427

Topo da página

Autor

Rodrigo Toniol

Universidade Estadual de Campinas – Brasil
Em pós-doutoramento (bolsista Fapesp)
rodrigo.toniol@gmail.com

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

© PPGAS

Topo da página
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • Revues.org