Navegação – Mapa do site
Resenhas

SENNETT, Richard. O artífice

Filipe Ferreira Ghidetti
p. 457-460
Referência(s):

SENNETT, Richard. O artífice. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2009. 364 p.

Texto integral

  • 1 Para Sennett, há uma ligação de duas vias: “[…] a realidade material dá a resposta, constantemente (...)

1Em O artífice, Richard Sennett faz uma investigação histórica do trabalho manual de artífices de diferentes ordens, em busca de compreender os processos criativos envolvidos numa relação de mão dupla entre ideia e matéria. O autor americano entende que o contato com matéria não é imediato, senão mediado pela linguagem.1 Neste livro, Richard Sennett discute o processo de criação a partir de outro olhar. O artífice é aquele que se preocupa com o trabalho bem feito, “pelo prazer da coisa benfeita”. Sennett problematiza a concepção alimentada por Hannah Arendt de que aquele que produz coisas materiais muitas vezes não tem poderio racional e ético de controle sobre tal produto. Trata-se aqui do mito de Pandora. A “solução” apontada por Arendt é o controle da política, que deve se colocar acima do trabalho físico.

2Segundo Sennett, Arendt distinguia: Animal laborens e Homo faber. O primeiro é o que fica absorto no trabalho como fim em si mesmo, com o único objetivo de “fazer a coisa funcionar”. O segundo é o “juiz do labor”, que discute e julga o fazer. Sennett aposta num envolvimento mais materialista do homem com o seu trabalho. A figura do artífice condensa um diálogo entre práticas concretas e ideias, sobre o fundo de hábitos prolongados. Encontramos, em O artífice, tanto a tese de que “[…] as habilidades, até mesmo as mais abstratas, tem início como práticas corporais [quanto a tese de que] […] o entendimento técnico se desenvolve através da força da imaginação” (p. 20). Grosso modo, trata-se de uma via de mão dupla entre ideia e prática.

3O autor faz um estudo filosófico da técnica, como uma questão cultural, recorrendo à análise de registros históricos da civilização, “[…] como catálogo de experiências de produção das coisas” (p. 25). Sennett desenvolve uma argumentação, ao longo do livro, em que recria os processos históricos sublinhando sua análise filosófica sobre cada ponto. O autor chama a atenção para o processo de capacitação (prática de treinamento), a partir do qual desconfia do talento inato e da espontaneidade sem fundamento. Repetir possibilita a autocrítica, permite modular a prática de dentro para fora. Os momentos de criação estão, na verdade, ancorados na rotina:

À medida que uma pessoa desenvolve sua capacitação, muda o conteúdo daquilo que ela repete. O que parece óbvio: nos esportes, repetindo infindavelmente um saque de tênis, o jogador aprende a jogar a bola de maneiras diferentes; na música, o menino Mozart, aos 6 e 7 anos de idade, ficou fascinado com a sucessão de acordes da sexta napolitana, na posição fundamental […]. Depois de trabalhar alguns anos nela, tornou-se perito em inverter a mudança para outras posições. (p. 49).

  • 2 Autocad é um software que tem o objetivo de auxiliar a confecção de desenhos por computador. Esse p (...)

4Nas análises de Sennett, o processo de capacitação do artífice demanda um processo prolongado e carregado de significados nos seus percalços. A dificuldade e a incompletude são aspectos que aparecem no trabalho e que são estimulantes, impulsionam a novos rumos e objetivos. Isso está ausente, por exemplo, do trabalho do arquiteto com o Autocad.2 Até mesmo a originalidade de pintores renascentistas era ancorada no trabalho coletivo com seus assistentes, e não lhes “proporcionava bases sociais de autonomia”.

5A ideia de consciência material, de Sennett, remete às transformações materiais (que se dão no domínio da vida) que suscitam transformações de consciência:

A metamorfose que mais desafia o fabricante a manter conscientemente a forma será talvez a “mudança de domínio”. Esta expressão – de minha lavra – remete à maneira como determinada ferramenta, utilizada inicialmente para certa finalidade, pode ser aplicada em outra tarefa, ou como o princípio que orienta uma prática pode ser aplicado a outra atividade completamente diferente. As formas-tipo desenvolvem-se por assim dizer no interior de um país; as mudanças de domínio atravessam as fronteiras. (p. 146).

6Richard Sennett procura conferir uma lógica às associações entre ideia e matéria: “Essas permutas […] ocorrem lentamente, destiladas pela prática, e não ditadas pela teoria […] o lento avanço do trabalho do artífice forja a lógica e mantém a forma.” (p. 147). Só a capacitação permite acompanhar a lógica da matéria.

7As pessoas que adquirem um alto grau de capacitação veem na técnica a “alma”; a técnica está ligada à expressão, a linguagem alimenta a lógica material retroativamente. Segundo Sennett, a mão se tornou humana ao longo da história, a partir dos seus usos. A técnica corporal da preensão, que surgiu no processo evolutivo, é como uma tentativa de agarrar o sentido por meio da ação. A técnica é o que suporta a expressão porque abre o horizonte de erros e, consequentemente, de acertos: “Tenho um padrão de referência que me diz o que estou buscando, mas meu compromisso com a verdade reside no simples reconhecimento de que cometo erros […]. Devo dispor-me a cometer erros, tocar notas erradas, para eventualmente acertar.” (p. 180). Há uma dialética entre a maneira correta e a experiência do erro: é o desenvolvimento a partir da técnica.

Fazendo alguma coisa acontecer mais de uma vez, temos um objeto de reflexão; as variações nesse ato propiciador permitem explorar a uniformidade e a diferença; a prática deixa de ser mera repetição digital para se transformar numa narrativa; movimentos adquiridos com dificuldade ficam cada vez mais impregnados no corpo; o instrumentista avança em direção a maior habilidade. (p. 181).

8É preciso ir além do “ser como coisa” (p. 196) como o próprio Sennett alerta: é preciso se colocar de maneira antecipada, um passo à frente da matéria. É preciso transformar a preensão (como ideia de agarrar) num “estado de espírito permanente” por meio da repetição. Fixa-se um ritmo. Isso permite a antecipação. Para Sennett, “[…] os movimentos corporais constituem a base da linguagem” (p. 202). Isso aparece nos estudos do neurologista Frank Wilson, que, no tratamento de pacientes com apraxia e afasia, percebia que era necessário tratar a apraxia para lidar melhor com a afasia.

9Sennett entende que a perícia artesanal encontra guarida no pragmatismo (onde se inclui), que procura “conferir sentido à experiência concreta”; segundo o autor, o conceito de experiência é central no pragmatismo:

É o conceito de experiência, palavra de conotações mais vagas em inglês do que em alemão, que a divide em duas, Erlebnis e Erfahrung. A primeira designa um acontecimento ou relação que causa uma impressão emocional íntima, a segunda, um fato, ação ou relação que nos volta para fora e antes requer a habilidade que sensibilidade. O pensamento pragmático insiste em que esses dois significados não devem ser separados. (p. 321).

10Se focarmos apenas na Erfahrung, corremos o risco do instrumentalismo. Assim, é também necessário o acompanhamento das sensações que mobilizam internamente. No entanto, Sennett diz que o foco de O artífice foi enfatizar o domínio da Erfahrung, dessa volta para o exterior. Por isso propõe o “ofício da experiência”, um conjunto de técnicas que disponibilizariam nosso conhecimento tácito para os outros. “A ideia da experiência como ofício contesta o tipo de subjetividade que prospera no puro e simples processo de sentir” (p. 322). Dessa forma, as “impressões”, nas palavras de Sennett, são apenas a matéria-prima. Portanto, aqui, a técnica não é o que fecha relações significativas e possibilidades expressivas. Além disso, é ela quem abre o corpo para a linguagem.

Topo da página

Notas

1 Para Sennett, há uma ligação de duas vias: “[…] a realidade material dá a resposta, constantemente corrigindo a projeção, advertindo quanto à verdade material” (p. 303).

2 Autocad é um software que tem o objetivo de auxiliar a confecção de desenhos por computador. Esse programa é amplamente utilizado por arquitetos do mundo todo. É importante saber que o Autocad automatiza os meios de ação daqueles arquitetos que utilizam o programa.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Filipe Ferreira Ghidetti, « SENNETT, Richard. O artífice », Horizontes Antropológicos, 40 | 2013, 457-460.

Referência eletrónica

Filipe Ferreira Ghidetti, « SENNETT, Richard. O artífice », Horizontes Antropológicos [Online], 40 | 2013, posto online no dia 14 Março 2014, consultado o 18 Agosto 2017. URL : http://horizontes.revues.org/219

Topo da página

Autor

Filipe Ferreira Ghidetti

Universidade Federal do Espírito Santo – Brasil

Topo da página

Direitos de autor

© PPGAS

Topo da página
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • Revues.org