Navegação – Mapa do site
Resenhas

PRANDI, Reginaldo. Os mortos e os vivos: uma introdução ao espiritismo

Célia da Graça Arribas
p. 466-470
Referência(s):

PRANDI, Reginaldo. Os mortos e os vivos: uma introdução ao espiritismo. São Paulo: Três Estrelas, 2012. 116 p.

Texto integral

Kardecismo e umbanda: duas religiões brasileiras

  • 1 Cf. Camargo (1961, 1973).

1Quando Reginaldo Prandi, um dos principais estudiosos das religiões brasileiras, começou a trabalhar como cientista social no Cebrap, em 1971, um dos seus primeiros temas de pesquisa foi precisamente o espiritismo, num projeto dirigido por Cândido Procópio Ferreira de Camargo que deu origem às primeiras publicações sobre as religiões mediúnicas.1 Desde então, Prandi vem trabalhando na área de sociologia da religião e conta hoje com uma extensa lavra de mais de 30 livros. Nenhum deles, porém, havia privilegiado analisar especificamente o espiritismo, tarefa a que Reginaldo se dedicou agora, 40 anos depois daquele começo, com a publicação de Os mortos e os vivos: uma introdução ao espiritismo.

2Com mão leve e preocupado apenas em apresentar em linhas gerais o desenvolvimento do espiritismo no país, o sociólogo oferece ao leitor uma análise sócio-histórica de duas religiões que ganharam lugar no espaço da diferenciação religiosa brasileira: o kardecismo, “religião discreta” da classe média, e a umbanda, religião tipicamente brasileira que adquiriu em nossa história republicana um significado importante para a compreensão da nossa cultural plural. Mas, embora a umbanda tenha inegavelmente se beneficiado desse status, o que Prandi nos fala em seu livro é que ambas as crenças – tanto o kardecismo quanto a umbanda – dizem muito sobre o país. As duas, por essas bandas, se desenvolveram de forma bastante peculiar: uma porque nasceu aqui mesmo, carregando a sina de ser a religião nacional; a outra porque tomou uma forma bem brasileira.

3Reginaldo começa o livro (capítulo primeiro) ressaltando que é dentro de um contexto mais amplo denominado movimento espiritualista – antes de tudo um fenômeno moderno – que podemos entender o surgimento da doutrina espírita.

4Em meados do século XIX, “fantasmas” rondavam os Estados Unidos e a Europa. Mesas giravam e ruídos estranhos eram ouvidos por pessoas que se reuniam em sessões de entretenimento justamente para assistir ao espetáculo. Um grande divertimento para uns, um grande enigma para outros, o fenômeno das “mesas girantes e falantes” reunia frequentadores nos salões europeus em busca de mensagens obtidas através de pancadas produzidas por objetos, que mais pareciam obedecer a alguma força desconhecida e autônoma (segundo capítulo). Em meio a dois polos – a religiosidade espiritualista e as ideias positivistas – encontrava-se Allan Kardec, pseudônimo do pedagogo francês Hippolyte Léon Denizad Rivail, fundador, ou melhor, “codificador” de um corpo teórico-doutrinário que propunha entender o mundo e suas relações com o “além” de uma forma bastante inusitada, já que se define, ao mesmo tempo, como uma doutrina filosófica, científica e religiosa.

5Durante muito tempo, Kardec defendeu a ideia de ter sido tão somente o compilador de uma doutrina filosófica de efeitos morais, como qualquer outra filosofia espiritualista, negando o caráter formal de religião que o espiritismo pudesse ter à época. Como nos explica Prandi no terceiro capítulo, o postulado principal da doutrina é a crença nos espíritos e na sua imortalidade. O espírito é eterno e evolui através de uma série de vidas, as chamadas encarnações. Segundo a doutrina reencarnacionista espírita, as ações realizadas na presente existência, sejam boas ou ruins, sofrem as consequências em vidas posteriores, conforme o princípio da chamada lei de ação e reação, muito parecida com a concepção hindu de karma – diferente, no entanto, no tocante à questão da evolução. As interferências entre os mundos material e espiritual, ou seja, as comunicações entre os vivos e os mortos, são levadas a cabo por indivíduos denominados médiuns. De acordo com a cosmovisão espírita, existem graduações diversas entre as também diversas habilidades mediúnicas (psicografia, pictografia, vidência, psicofonia, etc.), o que faz alguns médiuns mais desenvolvidos do que outros. Seriam os casos, por exemplo, dos famosos médiuns Chico Xavier, José Pedro de Freitas, o Arigó, e João de Deus, todos lembrados por Reginaldo.

6Aportadas no Rio de Janeiro em fins do século XIX, as práticas mediúnicas e os fenômenos das “mesas girantes e falantes” começaram a se alastrar principalmente nas camadas da elite brasileira, mais abertas ao contato com os “seres invisíveis” desde que fosse resguardado o seu caráter experimental e científico – caráter que a seduzia num momento fortemente marcado pela influência do cientificismo (capítulo quatro). Parte dessa elite serviu, portanto, como introdutora do espiritismo em terras brasileiras, emprestando-lhe um grande peso legitimador.

7Mas se é fato que o espiritismo, por ter ascendência europeia, trouxe consigo certo prestígio – um prestígio que facilitou sua expansão nas camadas privilegiadas –, sua origem europeia, por outro lado, e o legado dessa origem foram menos importantes do que o fato de o espiritismo ter se desenvolvido de uma maneira bastante particular no Brasil: isto é, de ter se formatado enquanto uma religião, e uma religião que enfatiza indelevelmente a prática da caridade como forma de salvação.

8Dentre os espíritas mais famosos da época encontrava-se o Dr. Bezerra de Menezes, médico e político de fins do século XIX, um dos responsáveis por enfatizar os aspectos religiosos da doutrina, talvez pelo fato de ter entendido que somente enquanto religião o espiritismo poderia não apenas sobreviver, mas sobreviver de forma legal e legítima num país recém-republicano que, apesar de laico, condenava com base em seu Código Penal as práticas de magia, charlatanismo e curandeirismo frequentemente associadas às práticas espíritas. Coube, portanto, a Bezerra de Menezes e a seu grupo de amigos enfatizar, na obra de Kardec, determinados elementos em detrimento de outros, formatando o espiritismo bem à moda brasileira, como relata Prandi.

9Entre os primeiros espíritas, em sua maioria gente letrada – jornalistas, professores, advogados –, boa parte deles era formada por médicos alopatas e homeopatas, pessoas que ajudaram a acentuar a questão da cura no espiritismo (capítulo sexto). Além de ter sido vista como uma das formas de se praticar a caridade, a oferta da cura fazia parte de todo um arcabouço teórico-doutrinário espírita, já que desde sempre, para os espíritas brasileiros, a assistência espiritual confundia-se com assistência material, uma vez que corpo e espírito, intermediados pelo perispírito, comporiam uma só unidade e tão somente enquanto tal deveria ser tratada. A prática de tratamento de saúde, espiritual ou material, tal como ocorreu no Brasil, não se deu na França da mesma época. Por isso que os aspectos “curandeirísticos” e caridosos de que se revestiu o espiritismo por essas plagas fizeram a diferença, mesmo porque foi graças à assistência aos necessitados de toda sorte que o espiritismo conseguiu sair do círculo mais restrito de uma elite letrada e atingir as camadas mais populares.

10Por outro lado, porém, esse movimento todo só foi possível porque “ao chegar ao Brasil, o kardecismo encontrou uma cultura bastante familiarizada com as ideias de transe como meio de comunicação com os espíritos, de reencarnação e de cura espiritual, que foram assimiladas das religiões indígenas e africanas” (p. 93). Nesse sentido, quando surge a umbanda, na década de 1920, um mundo repleto de crenças já vinha sendo partilhado por muita gente. Só faltava mesmo algum tipo de sistematização, papel cumprido pelos primeiros intelectuais umbandistas.

11Consta que a fundação da umbanda teria sido iniciativa de dissidentes de um grupo kardecista, liderados pelo médium Zélio de Morais, que passaram a ver nos centros de “macumba” um estímulo a novas práticas religiosas. Mas se houve disputas por status entre a umbanda e o kardecismo, se entre eles existiram relações tensas de classe e preconceitos de cor, principalmente nas primeiras décadas de existência da umbanda, como nos relata Prandi, isso não significa necessariamente que entre kardecismo e umbanda haja uma nítida distinção. Muito pelo contrário. A linha divisória entre esses dois segmentos é bastante tênue (capítulo oitavo). Até hoje, por exemplo, muitos umbandistas costumam se declarar espíritas, embora alguns kardecistas, ainda que rejeitem a aproximação com a umbanda, muitas vezes se declaram católicos. Aliás, é exatamente por conta dessa particularidade que fica difícil saber exatamente quantos são e quem são os adeptos de cada uma das crenças.

12A dupla pertença ou a pertença não declarada, no entanto, não impediu que Prandi nos proporcionasse, em seu último capítulo, uma análise socioeconômica dos adeptos espíritas e umbandistas. Se o espiritismo é uma prática da classe média branca, com elevada renda e escolaridade, a umbanda é adotada, sobretudo, por pessoas da classe média baixa. Assim como seus integrantes, os guias dessa nova religião brasileira têm origens mais abrangentes: indígenas ou caboclos, escravos ou pretos velhos, boiadeiros, ciganos, marinheiros, etc.

13Seja como for, o denominador comum entre umbanda e kardecismo parece mesmo ser a mediunidade usada especialmente para a comunicação com os mortos e para a assistência espiritual ou de cura, muito diferente, portanto, da mediunidade praticada pelas denominações pentecostais e pelo catolicismo carismático, “quando os agraciados com o dom do Espírito Santo, em transe, falam línguas estranhas, um sinal de sua condição de escolhidos de Deus” (p. 101).

14À luz do conhecimento sociológico, portanto, Prandi oferece um breve estudo a respeito da dinâmica relacional entre os vivos e os mortos na sociedade brasileira. Despretensioso, apresentando-se apenas como uma introdução, o seu livro atinge um público mais geral, interessado em compreender as religiões no Brasil, mas pode ajudar, também, pesquisadores acadêmicos a darem os primeiros passos na senda espírita, entendendo um pouco mais sobre certas doutrinas muito mais brasileiras do que aparentemente se possa imaginar.

Topo da página

Bibliografia

CAMARGO, C. P. F. de. Kardecismo e umbanda. São Paulo: Pioneira, 1961.

CAMARGO, C. P. F. de. Católicos, protestantes, espíritas. Petrópolis: Vozes, 1973.

Topo da página

Notas

1 Cf. Camargo (1961, 1973).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Célia da Graça Arribas, « PRANDI, Reginaldo. Os mortos e os vivos: uma introdução ao espiritismo », Horizontes Antropológicos, 40 | 2013, 466-470.

Referência eletrónica

Célia da Graça Arribas, « PRANDI, Reginaldo. Os mortos e os vivos: uma introdução ao espiritismo », Horizontes Antropológicos [Online], 40 | 2013, posto online no dia 28 Outubro 2013, consultado o 22 Agosto 2017. URL : http://horizontes.revues.org/234

Topo da página

Autor

Célia da Graça Arribas

Universidade de São Paulo – Brasil

Doutoranda em Sociologia

Topo da página

Direitos de autor

© PPGAS

Topo da página
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • Revues.org