Navegação – Mapa do site
Resenhas

STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. São Paulo: Terceiro Nome, 2013. 160 p.

Vinicius Kauê Ferreira
p. 395-399
Referência(s):

STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. São Paulo: Terceiro Nome, 2013. 160 p.

Texto integral

1Se há algo que os antropólogos podem aprender com certa história da antropologia – especialmente aquela que pouco aparece nos autos da disciplina –, é que temos prestado pouca atenção a certos pressupostos da própria disciplina quando nos dedicamos à sua história. Não há dúvidas de que temos muito a aprender com os historiadores também – e provavelmente haveria até mesmo certa urgência nessa tarefa –, mas deveríamos ser capazes de entrever com maior frequência o que de especial a antropologia poderia clamar na redação de uma narrativa sobre si mesma; algo que deveria ser ligeira e criativamente diferente daquelas narrativas históricas formuladas pela disciplina história, por exemplo.

2De algum modo, essa é a tarefa avançada por Marilyn Strathern em seu Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia, refletindo sobre como a antropologia tem escrito sua história até os anos 1980. O texto é relativamente antigo, datando de 1986, e se constitui numa conferência apresentada na Universidade de Liverpool, Inglaterra. Apesar de estar publicada há muito tempo na revista Current Anthropology (Strathern, 1987), a comunicação foi apenas recentemente traduzida para o português numa excelente iniciativa de jovens pesquisadores brasileiros em formação doutoral, Tatiana Lotierzo e Luis Felipe Kojima Hirano.

3Ao retomar a obra de Sir James Frazer, e sua relação com a obra de Malinowski, a antropóloga oferece uma magistral reflexão sobre a complexidade do pensamento antropológico e sobre os desafios para a escrita de sua história. Contudo, mais que uma palestra ampliada, o livro adota um formato bastante atípico. Dando seguimento ao texto de cerca de 50 páginas no qual a autora desenvolve seu argumento, encontramos oito contribuições de diferentes autores, que analisam criticamente a reflexão de Strathern. Esses comentários, evidentemente, são acompanhados de uma réplica da autora, que responde sucinta, mas densamente, a seus interlocutores. Além desse vivo debate, constituindo a publicação original, é preciso dizer que o livro conta com uma breve apresentação preparada pelos tradutores, um prefácio à edição brasileira redigido por Strathern e finalmente um interessante posfácio assinado por Renato Sztutman.

4Se as divagações sobre Frazer e Malinowski atravessam todo o texto, a reflexão sobre a história da antropologia pode ser vista como um mote para outros debates ou, para utilizar um termo stratherniano, um mote para tecer relações entre diferentes debates. Nesse sentido, um segundo eixo de reflexão da obra é o posicionamento da autora em relação à emergente crítica pós-moderna. É preciso lembrar que, em 1986, essas ideias “estavam no ar”, como diz ela própria, e que Writting culture (Clifford; Marcus, 1986), aquela que viria a ser considerada a masterpiece da literatura pós-moderna, seria publicada apenas alguns meses após o proferimento de sua palestra. É nesse contexto que Strathern resolve voltar a Frazer, para tentar compreender como a literatura “moderna/ista” – aquela da geração de Malinowski, Seligman e Haddon – tornou o texto de Frazer “ilegível” para as gerações seguintes e como, subsequentemente, a literatura “pós-moderna/ista” resgatou a legibilidade do texto frazeriano – para borrar, por consequência, a leitura do texto de Malinowski.

5O título da obra é muito judicioso, expressando perfeitamente as reflexões desenvolvidas no seu texto. A expressão “fora de contexto” é de pronto uma boa provocação para uma obra sobre a história da antropologia. Strathern está preocupada aqui com o contexto num sentido muito amplo: seja o modo como contextos são mobilizados na análise de dados textuais e etnográficos por parte do autor no momento da escrita, seja o contexto de produção e projeção momentânea de uma obra, ou seja como o contexto de produção de uma obra é (ou não) devidamente relevado em sua apropriação por gerações posteriores. Contudo, mais que isso, Strathern aprofunda seu pensamento mergulhando na teia de relações entre essas camadas de contextos. Dito de outro modo, a autora esquadrinha relações entre essas distintas faces dos contextos, criando um texto complexo que interliga diferentes possibilidades de uso dessa categoria.

6Para Strathern, o êxito do estilo de texto etnográfico da antropologia funcionalista teria alimentado a noção de que a geração de Frazer “tirava do contexto” os povos estudados. Assim, aquela antropologia associada a Malinowski teria repensado os termos do texto antropológico ao dar maior importância ao contexto das práticas culturais. Avançando seu raciocínio, a pesquisadora se coloca a questão sobre o contexto que permitiu a Frazer fazer um sucesso tão estrondoso junto ao grande público, para em seguida ser esquecido frente ao sucesso de Malinowski no interior da comunidade antropológica. Para a antropóloga britânica, a resposta estaria no papel de mediação que cada autor tomou para si entre povos ex-óticos e o público receptor de suas obras. Tratar-se-ia, portanto, de certo jogo entre contextos: entre aquele do povo sobre o qual se fala e aquele do povo ao qual se fala. A cada autor, e época, uma diferente relação entre esses dois níveis de contextos. A inquietação de Strathern gira, portanto, em torno do modo como agenciamos níveis de contextos na escrita antropológica.

7É assim que chegamos ao subtítulo de sua obra, “as ficções persuasivas da antropologia”. A cada época, um estilo faz-se valer; um contexto social e científico determina como contextos devem ser inter-relacionados na escrita sobre o Outro. Para aquela geração “moderna”, a geração pré-moderna era não apenas pouco precisa no trabalho de “contextualização”, mas também “excessivamente literária”. A antropologia moderna aspira a inscrever-se no método empírico de ciência, a adotar um novo estilo. Nessa transição, a tríade observado/observador/leitor sofre mudanças profundas, exigindo novos estilos de escrita. A respeito da escrita etnográfica, ela afirma:

Preparar uma descrição requer estratégias literárias específicas, a construção de uma ficção persuasiva: uma monografia precisa estar arranjada de tal maneira que possa expressar novas composições de ideias. Essa se torna uma questão sobre sua própria composição interna, a organização da análise, a sequência pela qual o leitor é introduzido a conceitos, o modo como as categorias são justapostas ou os dualismos são invertidos. Dessa forma, quando o escritor escolhe (digamos) estilo “científico” ou “literário”, ele assinala o tipo de ficção que faz; não se pode fazer a escolha de evitar completamente a ficção. (p. 45).

8Nesse quadro, o desejo literário e persuasivo é inerente à produção de todo texto. O texto etnográfico é literário porque busca certo efeito sobre o leitor, e essa noção de efeito – e eficácia – são importantes ao longo de seu trabalho. De pronto, essas afirmações podem soar como um alinhamento claro às ideias pós-modernistas, que “estão no ar” na academia estadunidense dos anos 1980; mas sua aproximação dessa literatura não se dá sem duras críticas a pontos essenciais do movimento. A seu ver, se o texto busca um certo efeito, ele não deve jamais ser submetido a distorções visando a produção de efeitos particulares. Se é verdade, por um lado, que a antropologia, em última instância, media contextos no trabalho de transmissão de conceitos outros através de conceitos próprios – e eis um dos fantasmas da antropologia contemporânea –, é verdade também que não caberia à antropologia “jogar com os contextos”. E daí decorre sua crítica à literatura pós-moderna.

9Se os pós-modernos, num afã revisionista, recuperam os pré-modernos para destronar os modernos, Strathern opõe-se ao que se busca “recuperar” nesses autores. A parte final de seu texto é uma leitura bastante lúcida e refinada sobre a vaga textualista que se consolida sob o título de pós-modernismo, caracterizando o movimento através de traços que já conhecemos muito bem. Em suma, a autora vê uma nova mudança de estilo de escrita, diferente daquela escrita monográfica estruturada em torno da organização social da aldeia ex-ótica. Ela rebate a ideia de que a literatura pós-moderna recuperaria e valorizaria a ironia e o borramento de contextos, que supostamente marcariam textos como os de Frazer. Para ela, a sutil ironia que poderíamos encontrar nos evolucionistas não passaria, na literatura contemporânea, de um tipo de pastiche – e não de ironia – e do jogo sem regras com os contextos – e não do seu borramento.

10Suas ideias são encerradas por um retorno ao caráter mais concreto da produção da teoria antropológica. Um textualismo fundado na pura autorrepresentação, ou representação da representação, e a atribuição de jogos literários a autores do passado seria, a seus olhos, o novo etnocentrismo. Se a crítica à autoridade etnográfica e a padrões modernistas de escrita seriam a contribuição pós-moderna ao debate sobre etnocentrismo, Strathern recorre à diversidade da reflexão feminista parar lembrar que multivocalidade, transdiciplinaridade, reciprocidade entre pesquisador e pesquisados e a pluralidade metodológica implicam engajamento profundo e qualificado com aqueles sujeitos sobre (e com) os quais falamos. Strathern nos lembra que “as ideias não podem, afinal, divorciar-se de relacionamentos” (p. 85).

11Como já dito, o texto principal é seguido dos comentários de antropólogas e antropólogos estadunidenses e britânicos renomados, como M. R. Crick, Richard Fardon, Elvin Hatch, I. C. Jarvie, Rik Pinxten, Paul Rabinow, Elizabeth Tonkin, Stephen A. Tyler e George Marcus. Esse panorama comporta tanto autores inscritos na literatura pós-moderna quanto aqueles que optam por uma sociologia da ciência mais clássica. Os comentários tecidos nessa seção são extremamente interessantes por tornar explícita a complexidade do pensamento de Strathern, na medida em que a sua posição como pesquisadora permanece bastante ambivalente: há críticas contra Strathern partindo dos dois lados dessa sorte de continuum epistemológico. I. C. Jarvie, mais atrelado a concepções como “verdade”, chega a desqualificar a ficção persuasiva de Strathern, adotando um tom bastante ácido. Ainda, Stephen Tyler e George Marcus questionam a noção de contexto de Strathern e sua capacidade de tomar consciência sobre o estilo de sua própria escrita.

12De fato, a ambivalência constitui o texto de Strathern, e o leitor pergunta-se a todo tempo se a antropóloga identifica-se com a literatura pós-moderna. Entre um título que claramente flerta com os pressupostos mais conhecidos da corrente e uma dura crítica à falta de consciência política dessa última, cabe ao leitor compreender que Strathern constrói uma posição própria, intersticial entre ambas. É como se tentasse extrair o que fosse necessário da crítica emergente dos anos 1980, sem perder, contudo, a capacidade de colocar essa corrente em perspectiva com outras do mesmo período, como os feminismos e os estudos pós-coloniais. Suas noções de texto e de ficção são essencialmente produtivas, e isso se expressa em outras trabalhos, como nos lembra Renato Sztutman no seu posfácio, numa bela contextualização da obra da autora.

13Por fim, vale sublinhar que, apesar de o texto ser relativamente antigo, ele não é de modo algum ultrapassado. A leitura da obra não se parece com um retorno fastidioso ao debate já exaurido e improdutivo sobre a literatura pós-moderna. Assemelha-se antes a um exercício necessário de revisão desse debate para um balanço entre o que pereceu e o que ficou entre nós. Sem falar, é claro, de um ensinamento pouco explorado sobre a história da antropologia que ainda nos é necessária.

Topo da página

Bibliografia

CLIFFORD, J.; MARCUS, G. E. (Ed.). Writing culture. Berkeley: University of California Press, 1986.

STRATHERN, M. Out of context: the persuasive fictions of anthropology [and comments and reply]. Current Anthropology, Chicago, v. 28, n. 3, p. 251-281, June 1987.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Vinicius Kauê Ferreira, « STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. São Paulo: Terceiro Nome, 2013. 160 p. », Horizontes Antropológicos, 43 | 2015, 395-399.

Referência eletrónica

Vinicius Kauê Ferreira, « STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. São Paulo: Terceiro Nome, 2013. 160 p. », Horizontes Antropológicos [Online], 43 | 2015, posto online no dia 31 Julho 2015, consultado o 20 Agosto 2017. URL : http://horizontes.revues.org/964

Topo da página

Autor

Vinicius Kauê Ferreira

Universidade Federal de Santa Catarina – Brasil
Pesquisador associado ao Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades
vinikaue@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© PPGAS

Topo da página
  • Logo UFRGS
  • Logo CNPq
  • Logo CAPES
  • Revues.org